- Estou com saudades de você…
- Eu também.
- Tenho sentido sua falta…
- Eu sei…
- Tenho tentado arrumar as coisas enquanto você está fora, mas…
- … Não é a mesma coisa.
- Não… Não é. Você faz falta aqui.
- Sinto isso quando chego…
- Vai ficar até quando assim?
- Enquanto precisar.
- Entendo… Mas outra coisa tem me preocupado.
- Não fala mais nada…
- Preciso falar. Você fez, mas se arrependeu.
- Não me arrependi. Só achei que era o certo…
- Você já fez isso uma vez e voltou atrás.
- E resolveu?
- Não…
- Então… Não adianta. Desisti. Joguei a toalha.
- Está certa da decisão?
- Sim. Nada mudaria. Nada… Sempre ficaria na mesma situação.
- Eu sei… Sei disso desde o primeiro momento, mas você não quis me ouvir.
- Mas deveria ter ouvido. Agora… Já foi.
- Sei que está preocupada em explicar para uma pessoa porque fez isso.
- É… Falei demais daquela vez. Gerei expectativa.
- É… Sabe? Até eu achei que dessa vez seria da forma certa.
- O problema todo é esse: o jeito “certo” nosso pode não ser o jeito “certo” para outras pessoas.
- Se eu fosse você falaria tudo o que está engasgado na sua garganta.
- Responde: vai mudar algo? Se eu falar alguma coisa o pó mágico vai despencar bem no meio da cabeça e despertar? Ou vai gerar um exame de consciência e ver que brincou de um jeito que não devia?
- Ali??? De forma alguma! Há pessoas que só enxergam o próprio umbigo. Acham que o mundo foi feito “para elas” e não “por elas”.
- Então…
- Sabe as duas coisas que mais me impressionam?
- Não… O que?
- Bom… A primeira: você é lerda demais! Eu acompanhei tudo de perto. Sei cada detalhe e acho, sinceramente, que quebrou a cara exatamente por levar quase 3 anos para entender que você só era um passatempo, um “affair” sem maiores conseqüências… Você é inteligente e engoliu (ou fingiu engolir) cada desculpinha besta, uma mentirinha mais esfarrapada que a outra. Aliás, eu sempre achei que ali era um poço de aparências, um show de “socialmente correto”. Sabe aquele tipo de pessoa que gosta de falar que faz e acontece?
- Huuhuumm… Sei. E a segunda???
- A segunda??? Você sobreviveu bem melhor do que eu achei que pudesse… Quando a vi tomar a decisão achei, sinceramente, que ia despencar. Você está com pressão por tudo quanto é lado e eu achei que ia cair de vez.
- Também achei… Mas foi o que falei. Do jeito que estava eu não queria. Mudar, não vai. Infelizmente.
- Olha… Você escreveu uma frase que não publicou e que achei fantástica. Posso “gastar” este seu post aqui???
- Pode… rsrsrsrsrsrsrsrsrsrs. Você está me dando um bem melhor. Aposto que a Ana, minha ex-chefe, vai falar que adora quando nós escrevemos juntos…
- Beijo, Ana!… Lá vai: “Prefiro gastar, em vida, o pouco que ganho que deixar para que outros gastem depois que eu morrer.”. Achei perfeito! Você simplesmente resumiu tudo o que sempre sentiram: o medo de tomarem uma decisão e, ao assumirem, perder prestígio, posição social, dividir bens materiais… Pois é… Cada um tem o seu valor como meta. Se os sentimentos são relegados para segundo plano, não é você quem deve sofrer.
- Pois é… Só espero que, quando morrer, o dinheiro, a posição social, os bens materiais também acompanhem. Rsrsrsrsrsrsrsrsrsrs…
- Você percebeu o que acabamos de fazer?
- Não…
- Eu “forcei” você a falar tudo o que estava engasgado, sem raiva. E você desabafou. Posso estar errado, mas foi com um “quê” de pena…
- Foi, não foi???
- Foi…
- Sabe qual a grande diferença? Eu jamais quis ser mais do que sou. Jamais quis assumir uma postura de “grande protetora” e jamais escondi meus problemas atrás de várias atividades que me consumissem o tempo todo, me afastando – ainda mais – de quem eu não suporto ter por perto, exceto em algumas raras “ocasiões”, tipo alívio.
- Mais um desabafo… Tem mais alguma coisa para falar, moça?
- Acho que não… Só se eu falar nome, endereço e telefone! kkkkkkkkkkkkkkkkk
- Hahahahahahahahahaha… Então me faz um favor? Só um??
- Faço. Fala…
- PELOAMORDEDEUS!! Pára com essa música chata, de “sábado à noite quando estou me sentindo abandonada e sozinha”, triste e grudenta, e que já tocou umas trocentas vezes, que já deu no saco!!!
- Hahahahahahahahahahahahaha!!! Vou parar. E dormir. Estou morta de cansaço.
- San…
- Fala, P.H…
- Eu… hhhaammm…. Então… Merda! Você colocou a música de novo?? Vou embora. Depois a gente conversa…
- P.H… É só para fechar o post num clima bom entre nós dois…
- Jura?
- Sim…
- Posso ficar para dormir?
- Com a Rebecca?
- Não!
- No sofá???
- Só lá???
- Só… Ou no quarto com o Léo.
- Vou para o sofá… San… Se precisar…
- Eu sei. Mas vou dormir bem hoje.
- Promete?
- Juro!
- San… Posso ir ao show com vocês? Caraio! Desliga essa música!!!
- Pode. Vai ficar quieto??? Já desliguei!
- Com a Madonna?? Nem f*dendo!!!
- hahahahahahahahahahaha… A gente se vê lá. Não vai esquecer!
- Pode deixar… Te cuida. Me vou… O sofá me espera.
- Sem roncar, ok??
- Besta!!!
- hahahahahahahahahahaha…

Autoria: Sandra Pontes

Comentários & Sugestões: sandra@sandrapontes.com


®
TEXTO REGISTRADO. PROIBIDA REPRODUÇÃO SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO. SUJEITO ÀS PENALIDADES PREVISTAS NA LEI 9.610/98 DE DIREITOS AUTORAIS.
PLÁGIO É CRIME! E OS TEXTOS CONSTANTES NA INTERNET POSSUEM UM AUTOR. PENSE NISSO ANTES DE USAR O COPIAR/COLAR.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Comunidade do site no Orkut.
Participe.



Posts Recentes:


Comments


Comments are closed.

Nome (requerido)

Email (Segredinho nosso)

Site ou blog

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Deixe seu recado (que pode ser devidamente editado, ignorado, respondido, deletado... Depende do meu humor!)

"A vontade pode e deve ser um motivo de orgulho superior ao talento." Balzac

"Quem atinge o seu ideal, ultrapassa-o precisamente por isso." Friedrich Nietzsche

"O homem sensato adapta-se ao mundo. O homem insensato insiste em tentar adaptar o mundo a si. Sendo assim, qualquer progresso depende do homem insensato." Bernard Shaw

"Todos os nossos sonhos podem se realizar, se tivermos a coragem de persegui-los." Walt Disney